Mulheres Ousadas que Fizeram e Mudaram o Rumo da História


Com a proximidade do NATAL, o mundo lembra de MARIA, a mulher que trouxe Jesus ao mundo.
Ousadia, pois uma virgem grávida é um tanto revolucionário até para os dias atuais.
Vamos falar então sobre Mulheres. Mulheres que deixaram sua marca .
Algumas mulheres desafiaram todos os preconceitos e tradições e deixaram a sua marca no mundo. Valentes, apaixonadas, fortes e incríveis, elas não tiveram medo de arriscar e mudaram o rumo da história.
Mulheres que não aceitaram ser apenas "mais uma na multidão".
Destaco alguns exemplos a seguir.

Jeanne Baret
A primeira mulher a dar a volta ao mundo. Disfarçada de homem, ela entrou no barco como ajudante de um botânico francês. Anos depois, ela voltou a Paris e entregou 3 mil espécies desconhecidas de plantas ao museu de história natural. O ato lhe rendeu muitas honrarias e uma pensão vitalícia por parte do rei.

Harriet Tubman

Uma guerreira na luta pela liberdade dos afroamericanos. Aos 13 anos, ela foi espancada violentamente por se negar a açoitar, junto com um guarda, um escravo fugitivo. Durante a Guerra Civil, ela foi enfermeira e espiã. Ela era escritora e participou na implementação das reformas sociais nos Estados Unidos. Inspirou milhares de pessoas a lutar pela liberdade independente da cor de pele.

Marie Sklodowska-Curie

Uma das mulheres mais inspiradoras da ciência. Pesquisadora, ela foi a primeira mulher a ganhar dois prêmios Nobel, o que abriu o caminho para muitas outras mulheres no tão machista mundo da ciência. Junto ao seu marido, ela descobriu os elementos rádio e polônio, e foi a primeira professora na universidade Sorbonne.

Vera Obolenskaya

Duquesa russa e heroína do movimento da resistência francesa, trabalhou como modelo e secretária. Fazia espionagem e organizava o transporte de prisioneiros britânicos da guerra para o exterior. Foi presa pelos nazistas e surpreendeu a Rússia e a França pela valentia, resistência e lealdade. Inspirou centenas de homens e mulheres na luta contra os fascistas.

Eleanor Roosevelt

A ’primeira dama do mundo’. Ajudada pelo seu alto status social, ela sempre publicou artigos que chamassem a atenção aos problemas sociais, ajudava o marido em questões políticas e inventou e fundou a ONU. Participou na elaboração da Declaração Universal dos Direitos Humanos e sempre lutou pela igualdade e liberdade das mulheres.

Grace Hopper

Uma programadora que ensinou os computadores e entender o idioma humano. Se transformou na primeira mulher a obter um doutorado em matemática e, aos 37 anos, se alistou na marinha. Foi uma das primeiras programadoras do Harward Mark I. Foi ela quem criou a linguagem de programação Flow-Matic, que serviu como base para a criação do COBOL. Hoje, em sua homenagem um prêmio é dado a jovens programadores.

Billie Jean King

A tenista que venceu um homem na chamada ’Batalha dos Gêneros’ para demonstrar que as mulheres devem ter os mesmos direitos que os homens no esporte. Possui o recorde de vitórias em Wimbledon e venceu todos os Grand Slam. Por sua iniciativa, foi criada a Associação de Tênis Feminino Mundial.

Natalia Bekhtereva

Filha de um ’inimigo da pátria’, sobreviveu à Segunda Guerra Mundial e se dedicou à medicina e aos estudos do cérebro. Fundadora do Instituto do Cérebro Humano, desenvolveu centenas de métodos para tratar o sistema nervoso. Bekhtereva acreditava nas capacidades sobrenaturais do nosso cérebro que ainda não foram explicadas pela ciência.

Malala Yousafzai

Aos 11 anos, criou um blog em que falava sobre a vida do regime talibã e compartilhava seus pontos de vista sobre a educação de garotas. Por isso, levou um tiro na cabeça, mas sobreviveu e continuou lutando pelos direitos à educação de crianças no Oriente Médio. Abriu uma escola no Líbano para garotas refugiadas sírias. Aos 19 anos, Malala é a mais jovem vencedora do Prêmio Nobel e é considerada um símbolo de luta pelos direitos à liberdade de milhões de mulheres.

Contribua.
Faça sua parte.
Ouse.
Não aceite ser apenas mais uma na multidão.

Beijo da Gu 

Foto de abertura pinterest.com, wikimedia.org


Comentários